TOEFL, TOEFL, TOEFL

Caracas… hoje fui fazer o tal do TOEFL. Aliás, não escrevi nada ontem por causa do TOEFL. Aproveitei o tempo livre para estudar como era o teste. Rapaz, parecia Fuvest. Fiquei das 9h30 às 13h30 fazendo a prova. E teria ficado mais se eu não tivesse agilizado a segunda parte, a de listening. Um absurdo de longa. A primeira parte tive uns problemas. Estava demorando para me concentrar na prova e acabei deixando de fazer uma das questões. Não estava nervoso, mas tentando fazer uma boa prova. Lia uma linha e não conseguia entender… lia de novo e de novo e de novo… Mas tudo bem. Aos poucos fui me acostumando com a sala, os fones, o cheiro, a escuridão, o vizinho do lado (que tinha um bom inglês) e, no final, tudo correu bem. Acabou que acho que fiz uma boa prova. Mas não pretendo fazê-la de novo. Que perda de tempo… E de dinheiro. Poxa, 155 dólares, not refundable. Quase perdi o teste. Hoje, durante o trajeto, teve algum tipo de acidente na ida. Com isso, o trânsito ficou lento e quase cheguei atrasado. Ainda bem que tinham me avisado da necessidade de chegar uma meia hora antes para preencher um formulário. Com isso, tive uns 10 minutos ainda, mesmo atrasado. A outra coisa que me grilou foi chegar no lugar de teste e ver que nem sabiam que tinham teste hoje!!! Aí eu relaxei! Tudo estava tão “estranho” que eu já vi que o mundo conspirava para a minha felicidade! Se alguém precisar de dicas do TOEFL, é só entrar em contato!

(17 de agosto de 2007)

Anúncios

23 pensamentos sobre “TOEFL, TOEFL, TOEFL

  1. estou cursando inglês na minha cidade e estou muito curioso sobre a prova você pode me dizer um pouco mais sobre elá ?

    espero respostas.

    thanks.

  2. Olá, Leni.

    Obrigado pela sua visita ao meu blog!

    A prova em si não é difícil, se você tem um inglês que lhe permite ler sem um dicionário do lado. O problema, como disse no blog, é a duração da prova. O que eu te sugiro é não perder muito tempo entendendo minúcias. Leia rápido, entenda o contexto e, conforme a questão, vá a um pedaço específico do texto (às vezes até já transcrito na questão), leia com atenção o trecho e responda. Na parte de listening, tome notas rápidas, na forma de um esquema. Feche os olhos para se concentrar na fala e não se distrair com as coisas da tela do computador como o relógio de tempo. Veja filmes, ouça o noticiário da CNN, ouça rádio e tudo que lhe ajude a imergir na língua. Treine o ouvido. Na parte de speaking, é fundamental não deixar tempo sobrando nas respostas orais. Se você tiver 45 segundos, fale por 45 segundos ou próximo disso. Não responda bate-e-pronto, pois aí o desconto é certo. Falar errado ou sem muita concatenação nas idéias é menos ruim do que ficar quieto. Procure usar os tempos verbais mais elaborados (futuro do pretérito, pretérito imperfeito etc.). Finalmente, na parte escrita, é pura redação. Se você escreve bem em português, não terá muito dificuldade aqui. Já é meio caminho andado.

    Existe um programa de computador que simula o TOEFL tal qual ele é aplicado. Ele está disponível no website da própria TOEFL. Nesse mesmo website você acha uns modelos da prova de graça. Boa sorte!

  3. ola,
    minha irma sempre teve uma certa dificuldade com o ingles, e agora que terminou a faculdade quer iniciar um curso que tem como pre requisito uma pontuaçao alta no TOEFL. ha uma maneira rapida e eficaz de se preparar´para a prova? uma dica de livro especifico que possa auxilia-la?

  4. Olá, Gabriela.
    Existem apostilas no website da TOEFL. Basicamente, são apostilas com exercícios baseados nas questões da prova. O mais “clássico” é o da Longman. A prova do TOEFL mudou ao longo dos anos. Mais do que decorar regras gramaticais, eles dão ênfase em compreensão de texto, capacidade de ouvir a língua inglesa e falar. Esta última é a parte mais nova. Assim, Gabriela, para ser franco, eu não sei dizer se existe “o” livro para se aprender a fazer a prova. A minha sugestão é ver programas de TV, assistir filmes e, claro, ler livros em inglês mais populares, como os da coleção da Penguin (pocket books). Algo que me ajudou muito é escrever em inglês. Nem que seja copiar trechos de texto. Isso ajuda a se “pensar” em inglês.

  5. Olá, Nadia. Nos posts anteriores, você pode notar que existem links na palavra “TOEFL” e um link em “este link”, no terceiro comentário. Mas aqui vai: http://www.ets.org/toefl/. As perguntar orais são de dois tipos básicos: 1) relacionado com algum acontecimento dentro de uma escola (com vocábulos relacionados a esse tema); 2) e relacionado com temas do cotidiano. Você ouve um diálogo e é perguntado sobre a sua opinião e o porquê dessa opinião (explicar). Ou é convidado a falar sobre algo, baseado em sua experiência pessoal (por exemplo, como é na sua escola; por que você escolheu uma dada carreira…). Em outro, você ouve um pedaço de um seminário e eles pedem para você explicar sucintamente o que foi dito. Não é complicado. Como o inglês é americano, é bom utilizar programas e filmes americanos para treinar o seu ouvido. Os noticiários são melhores, pois não têm muitas gírias e o vocabulário é relativamente acessível. Mas o fundamental é manter a calma. Espero que tenha ajudado.

  6. Algumas pessoas estão me contatando por e-mail para passar dicas. Eu só fiz uma vez a prova para poder tirar o score que precisava. Assim, não sou de fato “experiente” para falar do teste. De qualquer forma, eu reuni algumas dicas e montei os itens abaixos. Espero que ajudem vocês de alguma forma:

    1) o teste é longo. Dura quase quatro horas e só tem um intervalo de mais ou menos 10 minutos. Assim, leve água, uma barra de chocolate ou algo fácil e rápido de comer. Vá ao banheiro ANTES da prova, pois é longa. A preparação física é igual ao da Fuvest;

    2) procure um centro grande e bem equipado para fazer o teste. Não faça o teste em escolas pequenas. Nas grandes, você tem até cabines individuais para fazer o teste. Com isso você não é atrapalhado pela prova oral do candidato do lado. Sem falar que os equipamentos de informática (microfone, tela, conexão de Internet) são melhores e mais estáveis;

    3) estudar gramática decorando as regras sobre uso de preposições, verbos irregulares, regras de plural etc. não é muito útil. Essas questões não caem como antigamente. Isto é, não existe mais questão do tipo “escolha a preposição correta para a frase abaixo”. TODAS as questões são interpretativas. Existe um texto, uma fala, uma lecture ou algo parecido que você deve compreender e responder de acordo. Você faz uso da regra gramatical;

    4) A primeira parte é de leitura e compreensão de texto. Tem muito texto. Controle o seu tempo para responder. Não dá tempo de ler três vezes o texto principal e reler cada questão duas vezes. Eles chegam a transcrever partes inteiras do texto principal dentro da questão. As questões não são difíceis. Eles usam nelas muitas construções de frase que possuem falso cognato ou que em outra língua pode soar um sentido adverso. Coisas do tipo “you must go there”, que pode indicar “imperativo”, mas na verdade tem um tom “sugestivo enfático”. Não me lembro agora um exemplo melhor para lhes dar.

    6) A segunda parte é a de listening. É em inglês americano. Ouça programas de notícias e filmes dos EUA para treinar o seu ouvido. No TOEFL não usam gírias ou vocábulos difíceis. Eles passam um seminário de uma faculdade (imitando uma aula em que vc tem que estudar um texto antes de vir para aula; assim, eles fornecem um texto de umas 25 linhas como “capítulo de estudo” e você ouve a aula), uma conversa sobre ou no campus de uma universidade e uma conversa sobre um tema não acadêmico. Você precisa ouvir, compreender as argumentações, pontos de vista, afirmações e responder as questões de interpretação de acordo.

    7) Existe um break depois dessas duas partes. Em seguida, vem a parte oral. Parecida em termos de apresentação com a de listening, mas as respostas interpretativas são orais. Algo como “Fale o que você acha da afirmação…”. Normalmente você tem em torno de 45 segundos para responder. Tem questões com menos tempo para responder. Está lá indicado na tela do computador. Eu sugiro que na medida que ouça as conversas ou leia os textos apresentados, tome notas. Faça um esquema de raciocínio da argumentação da fala ou da aula. Faça um diagrama rápido do que você vai falar.

    8.) A parte de writting é tranqüila. Basta ter uma boa redação. Como disse, quanto mais você utilizar construções com tempos verbais mais elaborados e vocábulos diferentes, melhor. O importante, contudo, é ser claro na mensagem. Começo, meio e fim; idéia central da argumentação ao longo do texto; tamanho em torno de 25 linhas, ser sucinto, sem enrolar, com exemplos relevantes. Como é no computador, você usa um editor de texto especial para isso. É fácil de usar. Basta ir digitando. Dá para apagar, copiar e colar, de maneira que é bem mais fácil montar um draft do que antigamente, em que se fazia um rascunho com lápis e papel.

    Boa-sorte!

    • Olá

      Foi ótimo enccontrar essas orientações. Não sabia bem como proceder… Tenho estudado por minha conta, já dei aula, fiz traduções simultâneas e agora preciso de certificação. Estava pensando em ir para uma escola para melhorar a escrita, onde está minha maior deficiência, mas me pareceu um pouco enrolado. Sua dica de até mesmo copiar textos para pensar em Inglês foi ótima. Não havia pensado nisso antes.
      Valeu!!
      Quando tiver dúvidas, escrevo de novo, certo?

  7. De nada, Nadia. Não sei dizer que “quatro habilidades” eles procuram. Eu sei que eles querem ter certeza que você consegue se comunicar em inglês. Não estão tão preocupados com a perfeição gramatical, oral ou escrita. Mas ver se você não se “intimida” em expor as suas idéias em outra língua. Esse é o meu feeling e a explicação que tenho para a ausência de questões do tipo regras gramaticas, que era muito comum no passado.

    Por isso, continuo sugerindo que as pessoas vejam muitos filmes americanos, assistam às notícias da CNN ou NBC e procurem interagir com nativos norte-americanos. Acho que esse é o melhor treinamento: passar a “pensar” em inglês.

    Boa-sorte em sua prova! Depois, diga-me como foi o seu score!

  8. Fala Daniel, tudo joia? Tambem estou me preparando para o TOEFL e achei suas dicas importantes. Parabens por divulgar tudo isso conosco. Abracos.

  9. Oi daniel, td bem? Daniel estava muito interresada pois eu vou querer fazer uma facul no exterior, estava querendo saber são quantas questões de writting?, e se a parte do listening é mt grande’ Bjs

    • Oi, Thayná.

      Obrigado pelo seu comentário. Bom, para ser muito franco, eu já não me lembro quantas questões eram… Talvez 20? Algo assim. A de listening é por tempo. Logo, existe um certo “ritmo” ditado pela questão oral. Longa? Também não lembro. Nem mesmo no dia da prova eu contei quanto tempo foi. Sei que na hora você fica tão focado na prova que o tempo voa. De todas as partes a de reading foi a mais longa, com certeza. Não consegui terminar de responder todas as questões por simples falta de tempo. Deixe de fazer duas, sendo que acertei todas as anteriores. Não estava difícil. Mas perdi tempo com o “preciosismo” de ler “calmamente” o enunciado. Não dá tempo. Tem que ser esperto, ler uma vez rápido, captar a história geral, e, na questão, ler com calma apenas o trecho indicado e pronto. Sem querer voltar no texto todo e ler de novo. Não dá tempo.

      Enfim, espero que essas poucas informações lhe ajudem de alguma forma. Beijão e boa sorte!

  10. Olá Daniel, li seus posts e fiquei muito satisfeito com suas informações.Eu sei que já existe uma disparidade de tempo entre agora e o começo dos mesmos mas parabéns!
    Olha cara estou querendo prestar a prova. Já fiz inglês até o nível avançado, terminei em 2007. No começo desse ano fiz uma prova de nivelamento no Ibeu e já entrei no último módulo do intermediário, o fiz, mas tive que dar um tempo para fazer um curso de informática. Preciso fazer o teste o quanto antes, mas você acha que vale a pena fazer sem uma preparação dedicada? Ainda tenho um bom conhecimento de inglês, fiquei 4 anos sem praticar e ainda assim entrei no último nível antes do avançado. Mas tenho medo de fazer e não ir bem, principalmente na escrita, mesmo porque é uma grana “desperdiçada” caso não tenha uma boa nota. Então você acha que devo tentar agora ou é melhor me preparar, no caso num curso do próprio Ibeu com 6 meses de duração para ter “100%” de certeza de ir bem na prova?
    Obrigado!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s