Marylin violentada

O condominio Lombardi

O condomínio Lombardi

Para quem não conhece a Marylin, ela é a minha bicicleta. De manhã recebi um telefonema de uma amiga para me dar as más notícias: a Marylin estava… Violentada. Literalmente de “quatro”, arriada no chão, encostada na parede, imóvel, muda. O meliante deu uma “pezada” na porta do cercadinho das bicicletas e raptou a roda da frente da Marylin. Mas por que a roda da frente? Simplesmente porque era um conjunto Shimano de roller-break e dínamo embutido, com engate rápido, isto é, a roda sai fácil. Sem falar do aro de alumínio e cerâmica e o pneu continental (sim, da mesma empresa de pneus de carro!). O cara entrou lá só para pegar essa roda. Logo, é alguém que passa ali com certa freqüência ou que tenha vindo antes. O lugar onde a Marylin passa a noite tem duas portas chaveadas para se entrar, se vindo de fora. Mais a chave do cercadinho. Ainda assim aconteceu. Tinha seguro. Mas “economizei” nele e só pedi a cobertura para roubo total, não para partes. Assim, a roda sozinha não estava segurada. Dancei. Voltei na loja, coloquei uma roda “sobressalente” até as peças originais chegarem. Desfiz o seguro anterior e fiz um novo com cobertura de roubo e partes. Diferença de preço: 8 euros. Esse meu lado brasileiro me mata ainda… Assim, o meu dia foi avisar o zelador do prédio do ocorrido para arrumar a porta arrebentada, avisar a imobiliária, ir para a loja, verificar opções, negociar preços, voltar para casa, pegar a Marylin desdentada, puxá-la por dois longos quilômetros, instalar a roda de emergência e voltar para casa. Como estou sem dínamo, lá fui eu comprar as luzes para o farol da frente e o farol de trás movidos a pilha. Não são caras. Instalo amanhã. Não estou tão transtornado, pois sabia que isso um dia aconceteria. Só não imaginei que fosse tão cedo. Ajudou o fato dos danos terem sido mínimos. Só a roda mesmo. Não cortou o cabo, não roubou as bolsas laterais e os conteúdos, não riscou a bike, não amassou nada, não quebrou o paralama… Sem falar que não roubou a parte mais cara, que é o frame e o cubo traseiro, que contém as marchas e roller-breaks. Além disso, quando fui ao centro, não estava chovendo, a temperatura não estava negativa e, apesar de estar um pouco atrasado nas minhas atividades, tinha tempo para resolver tudo com calma. Engraçado que eu acordei com aquela terrível sensação de que algo estava errado. Pelo visto, a minha relação com a Marylin foi para um outro nível!

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s